5 minutos com você

poderia dizer que era apenas uma terça qualquer, mas os dias costumam ser iguais ou diferentes, dependendo do que fazemos neles ou eles fazem em nós, e não sua posição no calendário.

e aquela terça, foi extremamente diferente. e nunca mais voltou, a não ser na minha memória.

deviam ser quase onze horas da noite e, como de costume, eu retornava da faculdade. tinha acabado de descer do ônibus e estava a duas quadras de distância de casa. quando um carro preto parou na esquina.

observei a cena com certo receio, desacelerei o passo, vi um homem com terno cinza, feito sob medida e com abotoaduras douradas sair do carro, o cabelo estava impecavelmente penteado, ele usava óculos e devia ter 1,90 de altura. parou na lateral do carro olhando para mim, como alguém que espera.

não sentia que tinha opções de fuga, respirei fundo e continuei.

quando passei ao lado do carro, ele me chamou pelo nome e todas as ideias mais absurdas e assustadoras começaram a passar pela minha cabeça.

Você fez um pedido, noite passada, não fez? Estou aqui para realizá-lo.

não lembrava o que tinha pedido.

Você disse, olhando para o céu: eu gostaria de vê-lo, apenas uma vez.

Sussurrei isso. Respondi para ele.

Sim, e eu ouvi. Foi difícil, mas consegui. Temos que ir agora, pois o horário foi agendado e eles são bem rígidos com o tempo cronológico das coisas por lá.

lá onde? pensei.

Você vem? Ele disse, abrindo a porta do carro.

Posso escolher?

Claro. Se desejar nunca mais nos veremos, mas você, provavelmente, não terá essa chance novamente.

congelei meus pensamentos pelos segundos errados, nada passava pela minha cabeça. isso deve ser o que chamamos de decisão errada? acenei que sim e ele me deu a mão para entrar no carro, fechou a porta e entrou pelo outro lado.

Para onde nós vamos?

ele hesita um pouco em responder, entortando a cabeça para a direita.

É complicado… é um lugar que as pessoas não deveriam visitar, não no estado em que você está. Tem muitos nomes, nenhum deles está certo.

E como você conseguiu que eu fosse?

Hmm. Na verdade você conseguiu. Você chama atenção, quando dorme. De um jeito meio estranho, eles acreditam que você poderia ir e lembrar de tudo sem fazer a maior bagunça depois.

Acho que entendo.

não entendi nada, mas tudo bem.

É muito longe?

Sim, muito longe. Mas será rápido, eu prometo.

queria dizer que senti medo e foi uma péssima escolha. mas nada passava pela minha cabeça, estava em um estado de êxtase profundo com a mente e o corpo tranquilos de uma maneira que é difícil, mesmo nos dias bons. ele não mentiu, apesar de não sentir o movimento do carro em nenhum momento, a viagem não durou 15 minutos.

Nós chegamos. Aqui é um lugar muito organizado, mas meio caótico também. Digamos que eles tem sua própria lógica para as coisas e talvez para você seja estranho. Você vai ficar o tempo todo comigo, tudo bem?

Tudo bem. Respondi balançando a cabeça com os olhos fixos nele.

Bom, eu nunca trouxe ninguém aqui antes, então não sei mais o que dizer. Mas caso você se assuste, por favor, não corra. 

Aaah, ok?!

Acho que é uma resposta aceitável.

ele desceu do carro e abriu a porta para mim, segurou a minha mão para descer, mas dessa vez não a soltou mais. enquanto caminhávamos procurava me manter na lateral do seu corpo e as vezes me guiava para suas costas, como se estivesse me desviando de coisas.

o lugar tinha um teto baixo e parecia um labirinto de concreto, a luz era baixa e servia apenas para enxergar o que estava logo à frente de nós. depois de andarmos por alguns minutos encontramos um homem que parecia um pouco nervoso com a situação. ele segurava um molho de chaves imenso na mão e balançava de um lado para o outro, ansioso.

Até que enfim vocês chegaram, estão no horário, mas não esperava algo diferente você caro amigo. Confesso que estou nervoso. Olá, mocinha. Vamos indo, pois ainda temos alguns corredores pela frente e as trancas são velhas.

ele não deu tempo para respostas, começou a abrir portas e mais portas, nos esperava passar e as trancava novamente atrás de nós. algumas tinham menos de 4 metros de distância uma da  outra, outras pareciam ter 1 quilômetro.

Você sabe quanto tempo eles vão ceder?

Não sei não caro amigo, não sei não. Mas é o que eu chamaria de milagre, mesmo que sejam 30 segundos.

Honestamente, espero que seja um pouco mais.

Acho que a requisição da mocinha teria que ter sido mais específica, não? Ela disse que só queria vê-lo.

Bom, ela não tem culpa. Eles não sabem que pedidos se realizam, às vezes.

Você, provavelmente, vai ganhar uma promoção depois desse, não é?

Não sei se isso existe para nós…

Aa, sim. Entendo…

a conversa deles encerrou e continuamos andando.

repentinamente o cenário mudou, o teto ficou mais alto e as luzes ganharam tons avermelhados.

Estamos quase lá. Ele sussurrou para mim, esboçando um breve sorriso.

o ar se tornou denso e gelado, e pela primeira vez vi o que pareciam figuras semelhantes a pessoas. nós paramos e uma delas veio na nossa direção.

usava uma túnica cinza e grossa, que arrastava no chão e por isso parecia flutuar. apesar de não ter rosto, tive a sensação de que tinha uma expressão séria.

Eu tentei, mas infelizmente consegui apenas 5 minutos para ela, nenhum segundo a mais.

a voz era densa e profunda, como o concreto e o frio. como se o próprio lugar tivesse se materializado em alguém.

Acho que cinco minutos terão que ser o suficiente.

E ela não pode estar sozinha, será acompanhada por mim e você, e devemos ouvir e ver tudo que acontecer.

Já imaginava que seria assim. Aceito.

ele se virou para mim e segurou os meus ombros.

Você está pronta? Vai ser pouco tempo. Se quiser perguntar algo, acho que terá que ser uma pergunta.

Não sei se tem como estar pronta. Mas estou com frio.

É aceitável também.

entramos em uma sala pequena, com uma mesa retangular no centro, quatro cadeiras e iluminação fria focada na mesa. parecia uma cena de interrogatório. o homem realizador de desejos me guiou à cadeira que ficava de frente para uma segunda porta na sala e se sentou ao meu lado. o alguém de túnica, sentou de frente para ele, então esperamos.

a porta abriu e ele entrou. estava vendado, mas vestia uma roupa incrivelmente branca que parecia confortável, ele foi guiado a sentar na cadeira diante de mim. um cronômetro com números vermelho foi colocado sob a mesa e no momento em que tiraram a venda o tempo começou a diminuir.

achei que ele não me reconheceria, mas seus olhos se encheram de lágrimas no momento em que me viu. estendeu as mão para mim e eu retribui o gesto. ficamos nos olhando por algun segundos, sem dizer nada um para o outro.

‘se quiser perguntar algo, acho que terá que ser uma pergunta.’ a fala veio a minha mente. o olhei nos olhos.

Não sei o que dizer.

Tudo bem, você não precisa.

Mas eu tenho medo de me arrepender e não ter dito nada.

ele sorri e acaricia minhas mãos.

Você está bem aqui?

Sim muito bem.

percebo que sei o que quero perguntar, mas tenho medo de magoá-lo.

Pode dizer, eu sei que tem algo aí, nesses olhos. Ele diz em um tom brincalhão.

respiro fundo.

Você se arrepende? Se pudesse estar lá, estaria?

o sorriso desaparece e ele desvia o olhar para o chão. olha para as minhas mãos, respira fundo e responde, agora olhando para mim.

Não. Achei que iria, no início. Fiquei muito assustado. Os primeiros anos foram os piores. Sei que tiveram momentos difíceis, mas olha só como você está agora. Vocês estão bem, e eu não trocaria essa certeza pela possibilidade de escolher diferente. Escolher um futuro em que talvez tudo desse errado. E eu fosse a causa de uma dor maior. Gosto de poder olhar para você, e saber que você está bem. Então, eu não mudaria nada. Me desculpe se não é o que você esperava ouvir…

a resposta me fez sentir muitas coisas, mas eu sabia que aquilo era verdade. agora eu precisaria lidar com ela.

Vocês tem 30 segundos.

Posso te dar um abraço? Eu posso dar um abraço nele? Perguntei para o homem que me acompanhava.

Pode sim.

nos levantamos e ele me abraçou. o abraço que nunca mais vou sentir. ele me afastou e segurou o meu rosto por alguns instantes.

Não se preocupe, eu estou bem.

Eu sei que está. Ele respondeu.

O tempo acabou.

enquanto colocavam a venda ele disse que me amava e respondi que o amava também.

Vamos? Me direcionou o homem de terno cinza.

E agora?

Agora eu vou te levar para casa, você vai dormir e lembrar disso como se tivesse sido um sonho.

Eu vou duvidar?

Claro que sim.

fico um pouco chateada com a resposta e acho que ele percebe.

Mas nunca vai esquecer. Nem das palavras, nem da sensação. Vão estar com você para sempre.

Obrigada.

Eu que agradeço. Espero te encontrar novamente.

Eu também.

ouço um barulho sonoro que vai crescendo ao fundo. o rosto dele começa a parecer uma mancha, até desaparecer. os tons cinza e vermelho se transformam em uma explosão de luz, que vem da janela do meu quarto.

olho no relógio e são 07:05.

1 Comentário

  1. Btdg disse:

    Nesse fui junto com você em cada detalhe. Sensação de que foi tudo real

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s